Gravidez de meninas de 10 a 14 anos não diminui no Brasil

Especialistas apontam falha na educação sexual em casas e escolas como motivo de alta natalidade em meninas

Quase 305 mil brasileiras de 10 a 14 anos tiveram filhos entre 2005 e 2015, segundo o Datasus (banco de dados do Ministério da Saúde), que reúne os registros de maternidade e cartórios. Os números mostram que a gravidez entre as meninas dessa idade ocorre em todo o país, principalmente nas áreas mais pobres, alcançando os piores índices na região Norte. O mais grave é que a taxa de fecundidade entre garotas nessa faixa etária não tem caído, ao contrário da tendência geral do Brasil, em que se observa queda nos nascimentos tanto entre adolescentes (mulheres de 15 a 19 anos), quanto entre adultas (a partir dos 20 anos).

De acordo com reportagem veiculada pela BBC, com ajuda da demógrafa Suzana Cavenaghi, o número de nascidos vivos a cada mil mulheres entre 15 e 49 anos caiu de 58,9 bebês em 2005 para 53,6 em 2015. Enquanto isso, a taxa para meninas entre 10 e 14 anos ficou em 3,2 bebês nos mesmos anos.

Especialistas das áreas da saúde, educação e direito que acompanham o tema apontam para diversos fatores que podem explicar a situação, com destaque para a falta de orientação sexual em casa e escola. Segundo a Unesco, o ensino sobre sexualidade e prevenção à gravidez sofreu grave retrocesso no país desde 2011, quando a polêmica envolvendo o Escola sem Homofobia acabou levando ao recolhimento de todo material didático sobre educação sexual. “Hoje, nessa faixa etária de 10 a 14, nada tem sido feito no campo das políticas públicas de educação e sexualidade. Não existe uma diretriz nacional. Isso acaba virando um tabu e, como consequência, temos as crianças engravidando”, critica Rebeca Otero, coordenadora de Educação da Unesco no Brasil.


Referências
BBC Brasil: http://www.bbc.com/portuguese/brasil-40969456